Blog

13/04/2016

7 erros mais comuns na hora de fazer sua Declaração de Imposto de Renda

 

Declaração de Imposto de Renda, veja os 7 erros mais comuns

Estamos nas últimas semanas para a Declaração de Imposto de Renda Pessoa Física e se você é um dos quase 28 milhões de brasileiros que deve prestar contas com o Fisco e ainda não entregou o documento, fique atento aos erros mais comuns para evitar cair na malha fina.

Listamos abaixo quais são os 7 erros mais comuns na hora de fazer sua Declaração de Imposto de Renda. Fique atento, e não corra o risco de cair na malha fina!

1) Deixar de informar rendimentos na Declaração de Imposto de Renda

Declaração de Imposto de Renda

Um dos erros mais comuns é a omissão de rendimentos. Isso acontece quando o contribuinte não declara, por exemplo, algum trabalho que desenvolveu como autônomo ou algum emprego em que ficou somente determinado período do ano. A empresa, por sua vez, envia as informações relacionadas a ele para a Receita o que caracteriza o fato como sonegação da informação de rendimento.

2) Digitar dados errados

Atualmente, com o uso expressivo de smartphones, muitas pessoas preenchem suas declarações através de aplicativos, o que aumenta ainda mais a incidência da declaração seguir para malha fina. Muitas pessoas trocam, por exemplo, a vírgula pelo ponto para inserir os centavos na declaração e, quando isso acontece, o valor é multiplicado por 100. Sendo assim, o cruzamento das informações, realizado pela Receita Federal, identificará divergência de valores e a declaração irá para o procedimento de malha fina.

3) Não informar rendimentos dos dependentes

Declaração de Imposto de Renda

Ao declarar o(s) dependente(s), é importante que também sejam lançados seus rendimentos, mesmo que esta pessoa tenha um rendimento abaixo do limite de isenção do Imposto de Renda. Normalmente as pessoas informam, por exemplo, um filho como dependente para obter as despesas dedutíveis com o mesmo, mas não lançam o seu rendimento.

4) Mesmo contribuinte constar em mais de uma declaração

Declaração de Imposto de Renda, saiba quais são os erros mais comuns

Exceto em casos de alteração na relação de dependência no ano-calendário, um mesmo contribuinte não pode constar em duas declarações simultaneamente, seja como titular ou dependente. É uma prática errada, por exemplo, um casal informar o cônjuge como dependente, se ambos declararam imposto de renda separadamente.

5) Informar bens duplicados

É considerado um bem duplicado quando em duas declarações constam o valor total de um bem adquirido. Isso comumente acontece quando duas pessoas casadas com regime de comunhão de bens, por exemplo, declarem separadamente um bem adquirido, como um imóvel, em seu valor total. O bem deve ser declarado em uma das declarações, ou com valor repartido entre ambas.

6) Não informar rendimentos de pensão alimentícia

Não é difícil que pessoas recém-separadas, antes dependentes do ex-cônjuge, passem a receber pensão alimentícia e esqueçam de informar o recebimento deste rendimento na declaração, por acreditarem que se enquadram como isentas. Entretanto, é considerado um equivoco, pois é uma despesa dedutível para quem paga e, por isso, deve ser demonstrado em declaração para evitar divergência nos dados cruzados pela Receita Federal.

7) Informar ganho patrimonial injustificado

Declaração de Imposto de Renda, saiba quais são os 7 erros mais comuns

Muitas vezes as pessoas declaram um ganho patrimonial muito próximo ao valor de renda, o que não justiça a subsistência do contribuinte ao longo do ano. A Receita considera que parte da renda dos contribuintes é necessária para a sobrevivência do mesmo e da família, assim como também é destinada para gastos não declarados. Dessa forma, a evolução patrimonial deve ser compatível com a renda do mesmo.

O que mudou na Declaração de Imposto de Renda de 2016

Declaração de Imposto de Renda, saiba quais são os erros mais comuns na hora de entregar

  • É obrigatório conter o número de inscrição no Cadastro de Pessoas Físicas (CPF) dos dependentes com idade igual ou superior a 14 anos.

  • Profissionais das áreas de saúde e advocacia devem informar na declaração o CPF dos clientes para os quais prestaram serviços.

É importante que haja acuracidade nas informações disponibilizadas pelo contribuinte e é de responsabilidade do mesmo verificar se os dados estão corretos e fazer as modificações quando necessário for. Se o contribuinte perceber que cometeu erro ou esqueceu algum dado, mesmo após entregar a declaração, é admissível que o mesmo apresente uma versão retificadora da declaração a qualquer momento.

Como é este o assunto em pauta, leia também em nosso blog como tirar suas Dúvidas ao Declarar seu IRPF com Clarisse Monteiro e Almir Borges  e as Regras para 2016.

 

 

Calendário, Receita Federal , ,
SWITCH THE LANGUAGE